“A tentação é uma pedagogia de Deus”, explica o salesiano Dal Covolo

A vocação sacerdotal é um ato de Graça, “ninguém chama a si mesmo”

Por Mirko Testa
ROMA, domingo, 2 de maio de 2010 (ZENIT.org).- As tentações a que os sacerdotes estão expostos durante a vida devem-se entender como provas de fé para amadurecer a vocação.

É o que afirma o salesiano Enrico dal Covolo, de 59 anos, que do dia 21 a 27 de fevereiro pregou os wxercícios espirituais de Quaresma na presença do Papa e seus colaboradores da Cúria Romana. As meditações, sobre o tema do sacerdócio, encontram-se agora em volume In ascolto dell’Altro (Editora Vaticana).

“Claramente – explica a ZENIT monsenhor Enrico dal Covolo – este é um ponto fundamental diante da crise de uma cultura cada vez mais incapaz de escutar o outro, mas também aos outros que nos rodeiam, e frente à tentação de autorreferência que está sempre à espreita”.

Em relação aos escândalos por abusos sexuais por parte do clero que têm afetado a Igreja ultimamente, o sacerdote considera que “se impõe imediatamente um reflexão ampla sobre a vocação baseada realmente nos textos bíblicos que constituem seu paradigma”, opina.

E explica: “O ponto de partida de tudo é precisamente a Graça de Deus, porque a vocação sacerdotal, como qualquer outra vocação, é em primeiro lugar um ato de Graça, de eleição por parte de Deus”.

“Ninguém chama a si mesmo na perspectiva da fé – continua –, mas que só Deus chama; e é Ele que de maneira livre e gratuita aprecia aquele a quem chamou”.

Nesse sentido, a vocação dos apóstolos representa “a prova mais bonita e a melhor documentação: é de fato o Senhor mesmo que os chamou, os preparou para a missão que enviava, ainda que sem tirar-lhes a liberdade”.

“Tanto é assim que um dos doze é precisamente o traidor, assim como são inúmeras as provas de debilidade humana também dos outros doze”, continua.

“Portanto, não quer dizer que os sacerdotes, assim como os apóstolos, sejam imunes às tentações – indica. Eles, de fato, estão sujeitos às tristes consequências do pecado original”.

“Não existe a figura do sacerdote angelical, ou seja, que não sofre as tentações, as recaídas: tudo isso está presente de forma dramática na história do sacerdote”.

“Nem sequer Jesus esteve isento da prova, tampouco Maria esteve isenta”, recordou o salesiano.

“A tentação é uma pedagogia de Deus, é uma prova de fé que faz amadurecer o caminho vocacional”, destaca.

“O que salva, como se vê na vida de Pedro, é o recurso à fé e ao amor por aquele que chama – afirma. O que é decisivo para Pedro é a resposta definitiva: “Senhor, sabes que te amo”.

“E assim é a missão apostólica; é como dizer: ‘apascenta minhas ovelhas’”.


Fonte: http://www.zenit.org/article-24759?l=portuguese

Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s