Pe. Gabriele Amorth: O ocultismo

Do livroExorcistas e Psiquiatras

Creio que o ocultismo é a verdadeira religião de Satanás, aquilo que mais se opõe ao verdadeiro Deus e à verdadeira religião; e aquilo que mais se opõe ao homem, com as suas aspirações espirituais e a sua racionalidade, que o estimula a estudar e procurar uma explicação racional de tudo quanto é objeto do seu conhecimento.
Para tomarmos consciência destas afirmações, temos de partir dos fundamentos da nossa fé, baseada na revelação, e que tem um claro ponto de partida: “Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6,4-5). É o enunciado que está na base do Decálogo: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de minha face.” (Ex 20,2-3). É o grande início que antecede a explosão da revelação, com a Encarnação de Cristo, único Salvador e único Mestre.
“Tirai Deus e o mundo encher-se-á de ídolos”. Não se trata apenas da observação de um escritor contemporâneo, que espelha uma constatação recorrente em toda a história. O Santo Cura d’Ars exprimia o mesmo conceito, mas por outras palavras: “Tirai o pároco de uma paróquia e em menos de dez anos adorarão as bestas”. Gosto muito de me referir ao livro por experiência, a Bíblia, de onde provém todo e qualquer ensinamento sobre o homem. O Antigo Testamento é a história da fidelidade de Deus e da infidelidade de Israel. De todas as vezes que o povo hebraico vira as costas a Deus, entrega-se à idolatria. É matemático que, na proporção em que se verifica um decréscimo da religião, dá-se um aumento da superstição; e, deste modo, permite-se a entrada do ocultismo e todas as suas ramificações. É o nosso mundo que, deste modo, se afastou de Deus e de todas as formas religiosas, e se enterrou até o pescoço na idolatria, na superstição, no ocultismo.
O que é o ocultismo

Não é fácil definir o ocultismo. Há quem amplie o conceito e quem o restrinja (pessoalmente, prefiro a concepção mais extensa); os próprios termos utilizados para defini-lo são, muitas vezes, substituíveis e não exprimem conteúdos claramente delimitados. Substancialmente, ocultismo é acreditar na existência de entes ou forças não experimentáveis no plano normal da sensibilidade, mas através dos quais é possível dominar tudo, utilizando práticas específicas que são aprendidas mediante a investigação, a iniciação e o exercício.
Quem se dedica ao ocultismo julga adquirir conhecimentos e poderes que os outros não têm e que estão além das leis físicas ou racionais: leitura do pensamento, materialização de objetos, conhecimento do futuro, influências benéficas ou maléficas sobre quem quiser, domínio sobre as forças naturais, contato direto com os espíritos (quais? nunca se diz!), relacionamento com os mortos e – por que não? – com os OVNIS, com os extraterrestres e outras forças do gênero.
É explícita a rejeição da religião e da razão. Da religião porque se trata de entidades, de forças, de poderes que não provêm de Deus: nem na sua existência nem no seu uso. Da razão porque se trata de seres e de poderes que estão totalmente fora de qualquer possibilidade de estudo ou de controle racional, que escapam de qualquer possibilidade de exame científico. Só por isso se vislumbra uma relação direta com a magia, a adivinhação, a astrologia, o espiritismo, o satanismo e certos aspectos da maçonaria. Mais do que relação, diria que o ocultismo é o tronco a partir do qual se ramificam todas estas conseqüências, como seus frutos. Quem faz dele religião, entra numa seita, entendendo este termo no seu pior sentido.
Será possível que toda esta construção tenebrosa se agüente de pé, sem sequer procurar uma origem, um ponto de partida? Foram várias as tentativas nesse sentido, fato que revela a sua inconsistência.
Atualmente é moda apelar-se a práticas orientais antigas, especialmente tibetanas ou indianas, ou, então, à cabala israelita. Outros preferem apelar a tradições antiqüíssimas, sabe-se lá quais, que se perderam nos tempos e cujo conhecimento exige iniciação. Eis então o esoterismo, ou seja, a iniciação, que procura descobrir aquilo que se esconde por detrás de antigas tradições, mitos ou símbolos, para se apoderar e utilizar de tais segredos: deste modo, os cultores do esoterismo afirmam que conseguem descobrir os segredos de certas plantas, de certas pedras, de certos cristais, e por aí adiante.
O ocultismo também quer se apoderar de poderes escondidos, depois de conhecê-los, muitas vezes, a custo das pessoas se tornarem dependentes de seres superiores: homens já há muito conhecedores destes segredos, ou entidades não muito bem identificadas.
Ou, então, deixando-se guiar por espíritos que não sabe bem o que são. Atualmente, é moda encontrar magos, cartomantes, videntes que se dizem auxiliados por um espírito-guia. O que é isso? Não sabem, mesmo quando revelam seu nome. Que seria do ocultismo se as coisas fossem claras? De minha parte, limito-me a aconselhar a proteção do Anjo da Guarda e, sobretudo, a obediência à contínua ação do Espírito Santo.
Concluindo, podemos dizer: o esoterismo é o ensinamento daquilo que está escondido; o ocultismo é a descoberta de entidades e de forças secretas e a aquisição de práticas necessárias para a conquista de maiores poderes. Os dois termos são de tal maneira semelhantes, que muitos livros combinam os dois e falam de ocultismo esotérico. As definições e as palavras podem ser rebuscadas o quanto quiser, mas os frutos são atualmente muito procurados. Neste capítulo, falarei das seitas, da nova religiosidade e do satanismo.
Reservo os dois capítulos que se seguem para falar sobre a magia e o espiritismo, dado o seu particular desenvolvimento. Acrescento também que, neste campo, os meios de comunicação têm feito um péssimo serviço. É um tema que dá espetáculo e dinheiro; e as pessoas, perdida como está a religião, andam sedentas de palhaçadas.
Mas, antes, vejamos como defender-nos do ocultismo, para podermos “brilhar como astros, no meio de uma geração má e perversa” (cf. Fl 2,15).


Como defender-se do ocultismo


É fácil especificar como defender-se do ocultismo. Mais difícil é agir de acordo. Implica três pontos fundamentais: nova evangelização, informação, ouvir as pessoas.
– A nova evangelização. O Papa insiste continuamente, e com razão, neste tema. Se o ocultismo nasce da negação de Deus e da sua revelação, para escravizar o homem ligando-o a entidades e ritos totalmente ambíguos, a antítese do ocultismo é o regresso a Deus.
Só assim se derruba o castelo da idolatria e das superstições, sobre o qual se apóia o ocultismo.
Por várias vezes, já me aconteceu de dizer e escrever que o povo italiano é um povo de pagãos batizados, que vive como pagãos e sabe tanto de religião como os pagãos. É suficiente olhar para as famílias separadas, para a desonestidade que reina em todos os setores, para o triunfo do divórcio e do aborto, para o decréscimo da natalidade, para as igrejas desertas. Creio que, no que diz respeito à decadência, podemos comparar a nossa situação com a do Império Romano, tal como aparece descrito, criticamente, por São Paulo na Carta aos Romanos, ou como é narrado no popular romance histórico Quo Vadis? Um estado de decadência que, certamente, não existia no período da República. Qual o motivo desta decadência dos valores e deste abandono maciço e progressivo da fé, a partir do pós-Segunda Guerra Mundial?
As causas são muitas, mas algumas são particularmente evidentes.

O filósofo Augusto del Noce escreveu que a história do mundo moderno é a história da difusão do ateísmo. É verdade, é uma novidade absoluta na história da humanidade: o ateísmo manifestado nas massas populares. Nunca tinha ocorrido algo do gênero.
Eventualmente, havia o culto a falsos deuses mentirosos, como lhes chama Dante; ou o culto do Imperador ou culto conforme à mentalidade sócio-cultural de um povo e de uma época. Mas só o comunismo marxista inventou a propaganda do ateísmo com métodos científicos, que também encontrou terreno fértil no mundo ocidental, já minado pelo racionalismo, pelo secularismo e, mais tarde, pelo consumismo e pela indiferença religiosa.
Nossa Senhora tinha previsto tudo isso em Fátima, em 13 de julho de 1917 (o famoso dia das mensagens com os três segredos), ou seja, antes da Revolução Bolchevique, de finais de outubro: “A Rússia espelhará pelo mundo os seus erros, suscitando guerras e perseguições à Igreja”. Em Moscou, até 1990, na universidade, havia o Instituto Superior do Ateísmo, para formar os quadros do partido.
Ensinavam também o método a ser seguido para destruir a fé, qualquer tipo de fé, numa nação religiosa. E em várias cidades da Rússia havia os museus do ateísmo, sempre colocados em igrejas desconsagradas; eram os únicos museus de ingresso gratuito. E não é difícil demonstrar a eficácia da propaganda do ateísmo em todo o mundo; especialmente na Itália, onde havia, e ainda há (não se sabe como, depois da queda do chamado comunismo real) o partido comunista mais numeroso do mundo ocidental. Do comunismo, se passa, infalivelmente como já destacamos, para a superstição, para a idolatria, para o ocultismo esotérico, que é o grande tronco do qual brotam a magia, a adivinhação, os cultos orientais, o satanismo, as seitas… Ou Deus ou Satanás; não é por acaso que já foram feitos interessantes estudos sobre a ligação entre o marxismo e a demonologia, e sobre a provável consagração satânica de vários chefes históricos do comunismo: Marx, Engels, Lenine, Stanlin…
Certamente que as causas são muitas. Quando o Papa João Paulo II, na Carta Apostólica de preparação para o Jubileu, quis resumir a situação religiosa do nosso tempo, ressaltou quatro aspectos:
– O primeiro sintoma é a indiferença religiosa. As pessoas já não se interessam pela religião, e assumem-na como uma espécie de verniz exterior, sem qualquer tipo de eficácia. São típicas a este respeito, três expressões que ouvimos serem repetidas constantemente:
“Tenho fé à minha maneira”, ou seja, penso e atuo como quero; “Acredito, mas não sou praticante”, ou seja, faço aquilo que quero e gosto, não me interessando com a vontade de Deus; “Acredito em Jesus Cristo, mas não nos padres”, ou seja, acredito naquilo que eu quero, embora Jesus tenha dito claramente: “Quem vos ouve, a mim ouve; quem vos rejeita, a mim rejeita” (Lc 16,10).
– O segundo sintoma evidenciado pelo Papa é a confusão no campo da ética. Já não existe lei moral; já não existem valores. O colégio cardinálico, que pela primeira vez na história da Igreja se reuniu, não para nomear um novo Papa, mas para preparar o programa em vista do ano 2000, chegou mesmo a falar de noite ética: a escuridão completa a respeito do comportamento moral.
– O terceiro sintoma são as correntes teológicas errôneas. Quantas coisas foram escritas por teólogos e biblistas, que perturbaram profundamente o clero, os sacerdotes e bispos; e, conseqüentemente, também o povo cristão? Dou um exemplo. Todas as pessoas que encontrei, que passaram por uma situação de confissão habitual, para outra de perigo, descuido em relação ao Sacramento da Penitência, me disseram que houve um sacerdote que as tinham aconselhado a confissão apenas em caso de pecado mortal seguro. O melhor é não falar aqui da minha tarefa de exorcista (não me faltam certamente as ocasiões); vi teólogos e biblistas – e, por detrás deles, bispos e padres – que já não acreditam na ação do demônio, não acreditam nos exorcismos, dizem que tudo isto é um regresso à Idade Média, chegando mesmo a negar os exorcismos no Evangelho. A confusão no clero tem sido assustadora, quer no ensinamento quer, infelizmente, repetidas vezes, na vida pessoal. 
– Como quarto sintoma, o Papa destaca: a crise de obediência ao Magistério da Igreja. Não posso deixar de evocar o famoso terceto de Dante: Avete il Vecchio e il Nuovo Testamento – e il Pastor della Chiesa vi guida – questo vi basti a vostro salvamento [Tendes o Antigo e o Novo Testamento – e o Pastor da Igreja a vos guia – isto seja suficiente para a vossa salvação]. Depois acontece que, quando não se obedece ao magistério da Igreja, infalivelmente, acaba-se obedecendo aos outros magistérios: ao dos jornais e da televisão: às visões dos chamados videntes; quando não, mesmo aos gurus ou outros líderes que nada têm a ver com o Cristianismo.

– Informação. O segundo meio que indico como defesa contra o ocultismo é a informação correta. Não se pode ensinar aquilo que não se sabe. Se nos seminários já não se fala do diabo, nem dos exorcismos, imagine, então, se se fala de ocultismo, de sessões de espiritismo nas formas atuais, dos vários cultos orientais, de todas aquelas formas atualmente na moda e que contêm perigos? Muitas pessoas me contam que foram a magos, para serem libertadas de certos inconvenientes, depois de terem se aconselhado com o próprio pároco. Conheço muitos casos de sessões de espiritismo feitas por estudantes, sem que o professor de Religião e Moral tenha alertado-os dos perigos, mesmo quando foi explicitamente induzido a respeito.

Não é de se admirar que os livros que relatam interrogatórios aos falecidos sejam publicados com a recomendação inicial de eminentes sacerdotes. E quem prega a proibição de freqüentar os magos? Ou os perigos de ver espetáculos de magia na televisão?

– Ouvir as pessoas. É o terceiro grande meio de defesa contra o ocultismo. As pessoas têm problemas, dúvidas, sofrimentos. Necessitam de ser ouvidas e aconselhadas. Necessitam de quem as ouça com atenção e competência. Monsenhor Gemma escreve na sua Carta Pastoral de 29 de junho de 1992, na qual institui grupos de oração de libertação: “Considero que faz parte do ministério sacerdotal ouvir todos os fiéis com grande, grande paciência. Tudo deve ser submetido a um saudável discernimento por parte dos pastores.

Mas nunca, nunca uma alma aflita, porventura, inconscientemente abatida pelo maligno – não é este, por acaso, o seu ofício? – pode ser tratada com superficialidade, minimizando os seus problemas ou, pior ainda, recusando ouvi-la. Jesus não atuava desta maneira”. E continua com uma observação realmente espantosa: “Os ministros sagrados não sabem que é precisamente a indiferença por parte deles que, freqüentemente, induzem os simples e desprevenidos a recorrerem a magos e bruxarias, ou a outras práticas aberrantes, que são instrumentos privilegiados de intervenção por parte do demônio e do seu triunfo? Não vos canseis de manter os vossos fiéis afastados dele!”.
Este é um aspecto fundamental, que está na base de difusão do ocultismo em todas as suas formas. A oferta existe: os anúncios nos jornais, na televisão, nos meios de comunicação social em geral, são mais do que muitos. Como já vimos, calcula-se que, na Itália, os freqüentadores destes charlatões e satanistas são mais de doze milhões.
E não é só isso. Também há a oferta de acolhimento e compreensão por parte de outros grupos religiosos, de seitas, de organizações equívocas. Não hesito em afirmar: se perdermos a batalha do acolhimento pessoal, perderemos a batalha da evangelização. Não conheço e julgo que não existem alternativas.
Eis, então, os três grandes remédios contra o ocultismo, em todas as suas formas: nova evangelização, informação e ouvir as pessoas.
Sobre o primeiro aspecto, que é fundamental porque a fé nasce e é alimentada da escuta da Palavra de Deus, gostaria ainda de acrescentar que o século XXI e o terceiro milênio, herdam dois importantes documentos que fundam a nova evangelização. É necessário apresentar ao homem de hoje, Jesus Cristo e Sua obra, de maneira integral e adequada aos tempos: é este o esforço e o conteúdo dos documentos do Vaticano II. E é urgente dar, de novo, também aos povos de antiga tradição cristã, aquela cultura religiosa de base que já não possuem. Do ponto de vista religioso, são analfabetos; nem sequer sabem o Decálogo, não vão à Missa, não se confessam. É este o esforço e o conteúdo do Catecismo da Igreja Católica. Os instrumentos existem; cabe aos cristãos utilizá-los.

Defender-se do ocultismo. O francês M. Lallemand, estudioso do ocultismo, não hesita em afirmar que, atualmente, os adeptos do ocultismo são bem mais numerosos que os adoradores do verdadeiro Deus. É uma afirmação forte que nos faz refletir. Mas que, a meu ver, é uma conseqüência direta ao abandono em Deus: enfraquece a fé, cresce a superstição; não se acredita em Deus, acredita-se nos ídolos. E, para os batizados, que valor tem serem cristãos e, em sua maioria, se não já se lembram das leis de Deus e em compensação, se entregam ao ocultismo?
Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s