Civilização Cristã

Por Dr. Plínio Corrêa de Oliveira | Legionário, N.o 546, 24 de janeiro de 1943
Um telegrama procedente de Nova York, que nossa imprensa diária divulgou, transmitiu um judicioso comentário de um jornal daquela grande cidade americana, acerca dos métodos de administração empregados por certas autoridades secundárias de ocupação nas regiões conquistadas pelas tropas aliadas, na África do Norte. Mostrou o sagaz articulista que, se bem que o estado de guerra justifique, e até imponha restrições à liberdade individual, os processos de administração empregados pelos aliados não devem, sob pretexto algum, adotar a mentalidade nazista.
A observação é das mais importantes, e certamente merece alguns comentários.Com efeito, não vale a pena, pelo amor ao combate, perder as razões de combater, e a preservação dos ideais com que entramos na luta deve ser para nós uma preocupação sagrada.
Em entrevista recentemente concedida à imprensa o Sr. interventor Fernando Costa declarou que o Brasil entrou em guerra para a defesa da civilização cristã.Vinda de autoridade tão altamente graduada, estas palavras merecem ser registradas com cuidado pela opinião católica, porque tem um alcance definitivo. Elas consagram como meritório esforço de guerra tudo quanto se faça no sentido de conservar claros, vivazes os princípios em defesa dos quais agora se mobiliza o Brasil.
Por isto, o “Legionário” não pode deixar de proporcionar aos seus leitores o estudo de alguns princípios doutrinários referentes à Civilização Cristã.
Seria supérfluo entrar aqui na analise das muitas definições de civilização, apresentada pelas várias correntes filosóficas. Em todas elas encontramos um resíduo comum, que serve para o desenvolvimento do conceito de civilização todas as manifestações do espírito humano. Os fenômenos de caráter econômico, político, social e artístico só podem ser considerados como expressivos de uma civilização na medida com que refletem uma tendência, uma atitude ou uma definição do espírito humano.
Por isto, uma civilização cristã é aquela que brota dos espíritos profundamente impregnados da doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo. E, como esta doutrina é, antes de tudo e essencialmente uma civilização, é impossível existir uma civilização cristã na qual os homens não professem a religião de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Entretanto, a Religião de Nosso Senhor Jesus Cristo não pode ser toda e qualquer religião que se diga ou pretenda cristã. Se de fato Nosso Senhor Jesus Cristo instituiu uma só Igreja verdadeira, só será plenamente cristão o povo que a ela pertencer. Católicos, em tudo dóceis à Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana, consideramos heréticas e dignas de anátema as igrejas dissidentes, que ela fulminou com sua condenação.
Isto nos leva a uma conclusão de capital importância: o Brasil só será real e genuinamente cristão sendo católico, apostólico, romano. E, portanto, nossa civilização, só continuará cristã se o Brasil continuar dentro do aprisco da Santa Igreja Romana.
Ser católico consiste em crer e praticar a [doutrina da] Santa Madre Igreja Católica, Apostólica Romana. E a Igreja não manda crer apenas os artigos do Credo, ela impõe que aceitemos na íntegra toda a sua doutrina, incluindo as conseqüências de caráter político, econômico e social que tal doutrina envolve; o que implica em afirmar que a condição essencial para que qualquer país tenha a civilização cristã consiste em que ele receba a doutrina da Igreja em sua plenitude.
Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s