SANTA FRANCISCA ROMANA: MODELO DE CONVIVÊNCIA COM OS SANTOS ANJOS

Santa Francisca Romana e o Santo Anjo
É importante alimentar constantemente nossa devoção aos Santos Anjos senão pouco a pouco iremos perdendo o entusiasmo e o fervor, e até podemos esquecer de nossos Irmãos celestiais que tanto querem ajudar-nos, mas só podem fazê-lo na medida em que nós deixamos e pedimos a sua ajuda. Por isso, queremos nesta Carta apresentar Francisca Romana, uma santa que recebeu de Deus a graça prodigiosa de ser acompanhada por três Anjos diferentes durante a sua vida. Eles a guiaram, iluminaram, consolaram, mas também, corrigiram e exigiram penitência de suas faltas. Nela encontramos o exemplo de uma vida de intimidade muito grande com os Santos Anjos (este texto foi baseado no livro Vereint mit den Engeln und Heilegen de Ferdinand Holböck, Stein am Rhein, 1984, pág. 302 ss).
A ESCOLHA DA VIDA: FAÇA-SE A VOSSA VONTADE, SENHOR
Santa Francisca nasceu em Roma no ano 1384, descendente da distinta família “De Busci”. Era uma época turbulenta, pois havia um cisma na Igreja e uma grande confusão no ocidente. A Cidade Santa encontrava-se em ruínas. No foro romano transitavam vacas e a Basílica de São Paulo servia de estábulo aos pastores para seus rebanhos. No entanto, Deus compadeceu-se da miséria daquela época, e concedeu ao povo o consolo de Sua assistência através do surgimento de grandes figuras santas, entre elas, Francisca Romana.
Francisca nutria o desejo ardente de entrar na vida religiosa, mas os planos de seus pais eram bem diferentes. Desejavam para ela o matrimônio e toda resistência de sua parte não resultou em nada; por fim, ela aceitou esses planos obedecendo ao conselho de seu confessor. Já aos doze anos estava casada com Lorenzo de Ponziani, um homem rico e nobre que a amava muito.
Junto com ela, no palácio, vivia sua cunhada Vanozza, que encontrando-a uma vez chorando amargamente, perguntou o motivo dessas lágrimas, e esta confessou seu enorme desejo de viver num convento. Descobriram, então, que ambas tiveram a mesma sorte: Vanozza também quis entrar num mosteiro, mas fora obrigada a casar-se. A partir de então começou uma grande amizade entre elas, amizade esta que durou 36 anos. Juntas rezaram, jejuaram e fizeram obras de caridade. Como havia uma sala em desuso no palácio, elas a transformaram em uma capela de oração, onde dedicavam várias horas noturnas em prolongadas orações.
Três anos depois do casamento, Francisca adoeceu gravemente. Já se temia a morte da jovem esposa, quando então, apareceu-lhe santo Aleixo que, colocando o seu manto cor de ouro ao redor dela, disse: “Terás a vida, pois o Senhor quer que ainda fiques no mundo para a glória de Seu nome”. No mesmo instante ficou curada. Isso aconteceu no ano 1399.
O PRIMEIRO ANJO – GUIA NO CAMINHO DA PURIFICAÇÃO
Foi nesse mesmo ano que Francisca recebeu um Anjo do nono coro. Ele não era visível para ela mas ficava constantemente a seu lado e ela podia perceber sua presença por meio de sinais bem claros. Esse Anjo foi um grande amigo e conselheiro, mas também, um severo admoestador que a castigava até sensivelmente quando cometia pequenas faltas; vigiava todos seus pensamentos, palavras e obras, guiando-a dessa forma no caminho da santidade. Quando ela, por exemplo, uma vez não interrompeu uma conversa muito superficial devido ao respeito humano, o Anjo lhe deu uma bofetada tão forte que em toda sala ouviu-se o barulho e, por muito tempo, podiam-se ver os sinais que esta bofetada lhe deixou em seu rosto.
O auxílio do Anjo para assumir as obrigações de seu estado de vida
No que diz respeito ao seu matrimônio o Anjo ajudou-a a encontrar as atitudes e os valores positivos desse estado de vida, de maneira que ela começou a viver essa união sacramental muito conscientemente. Assim, também ajudou-a a cumprir os deveres de uma dona-de-casa, aliás, de uma das casas mais ricas de Roma, mostrando-lhe que isso não era perda de tempo, mas, dever de estado. E quando, pela primeira vez, deu à luz um filho, a quem chamou de Batista, foi o Anjo que a fez deixar as severas mortificações por amor a seu filho. Ela recebeu também uma forte iluminação interior que a tornou capaz de compreender o quanto vale diante de Deus, como verdadeira oração, quando se cumpre com amor os deveres de mãe e da educação dos filhos.

Esses fatos nos mostram que este Anjo tinha a tarefa de cuidar da purificação de Francisca. Mostra também como os nossos deveres de estado e nossas tarefas cotidianas fazem parte dessa purificação, e como o seu cumprimento tem preferência diante das mortificações particulares. Em primeiro lugar, a nossa penitência é o cumprimento de nossos deveres, é o amor fraterno, o amor aos nossos irmãos e aos nossos filhos, é o trabalho que devemos realizar. E, como fundamento de tudo isso, o Anjo conduziu-a a aceitar totalmente o seu estado de vida. Com certeza, foi um passo duro para ela deixar aquele ardente desejo de vida religiosa que sempre tinha aspirado. Mas, já estava incluído nos planos de Deus esse outro estado de vida, na missão que Ele tinha para ela.

É interessante notar que ela nunca pôde ver esse Anjo, enquanto os outros dois companheiros celestiais ficaram visivelmente a seu lado. Isso indica que ela ainda precisava crescer na fé. “A fé é a certeza daquilo que não se vê” define a Carta aos Hebreus esta virtude teologal (11,1), em que se baseia toda a nossa relação com Deus, pois, “é impossível agradar a Deus sem ter fé” (Heb 11,6).
Devemos também ter uma fé viva em nosso Anjo
Por isso, o Anjo quer em primeiro lugar fortificar a nossa fé, pois um ato de fé vale mais diante de Deus do que muitas aparições. Queremos, portanto, manter firme a nossa fé, não somente em Deus, mas também no Anjo. Devemos acreditar nele, na sua presença ao nosso lado, na sua força e poder que recebe de Deus para proteger-nos e que ele quer comunicar a nós; sim, ele deseja um contato íntimo com a nossa alma que é a sua grande amiga.

Nós devemos exprimir essa fé em palavras, orações, atos e agradecimentos. Quanto mais viva e firme for a nossa fé tanto mais íntima será a nossa relação com o Anjo. Poderíamos dizer também que esse Anjo ajudou Francisca a viver de forma exemplar os seus compromissos batismais que é expressão de nossa fé.
O SEGUNDO ANJO – GUIA NO CAMINHO DA ILUMINAÇÃO
No ano 1413, quando Francisca uma vez estava rezando na capela, apareceu-lhe Evangelista, seu filho muito querido que já havia falecido. Ao lado dele estava um rapaz que parecia ter a mesma idade e o mesmo tamanho, mas que era muito mais belo. “És realmente tu, filho do meu coração?” perguntou a santa, ao que respondeu o filho: “Mãe, saiba que estou no segundo coro da primeira hierarquia, entre os Arcanjos, junto com este companheiro, que vedes ao meu lado e que é muito mais belo do que eu. Este espírito celeste é enviado à senhora, para consolá-la na peregrinação terrestre. Dia e noite o verás ao teu lado e ele te assistirá em tudo”.

Durante os próximos 24 anos este Arcanjo acompanhou-a dia e noite, e seu rosto brilhava tão fortemente que a santa não podia contemplá-lo. Somente quando se encontrava em oração, na luta contra os demônios, ou no colóquio com o confessor, ela então podia ver o seu rosto. Na luz desse Anjo foi possível para ela até ler e trabalhar durante a noite. O Anjo serviu-lhe também de espelho no qual ela podia ver sua pequenez.
Quando vacilava na confiança em Deus, ou se deixava oprimir pelas preocupações, ou cometia faltas, imediatamente perdia esse contato visível com o Arcanjo. Mas, ao arrepender-se pedindo perdão a Deus, novamente podia vê-lo, ainda mais belo e feliz, de maneira que recuperava novamente a paz interior. Em caso de dúvida, ou medo, um olhar benevolente do companheiro celeste bastava para dissipá-los.
O conhecimento dos pensamentos dos corações
Na luz que saía desse Anjo, Francisca conhecia os pensamentos mais íntimos dos corações dos homens e sabia o estado de sua alma. Recebeu também o discernimento dos espíritos. Sem dúvida, essas graças foram de muito proveito ao dar conselhos às pessoas e ao reconduzir os pecadores desviados. Seus conselhos ficaram de tal forma conhecidos que era procurada também pelos teólogos e doutores daquela época.
“Dia e noite o verás ao teu lado e ele te assistirá em tudo”
Em 1414 Francisca ficou contaminada ao cuidar dos doentes de peste. Foi então que quase todos os amigos a abandonaram, enquanto o Arcanjo ficou a seu lado, tornando-se desse modo uma fonte de consolo na miséria. Ainda doente, uma vez entrou em êxtase e lhe foi mostrado como, após a morte, o Anjo da Guarda de uma pessoa apresenta todas as suas boas obras diante de Deus. Poucos dias após essa visão foi repentinamente curada.

Os dons de Francisca não puderam ficar escondidos. Sempre mais era solicitada quando havia brigas ou quando cônjuges queriam separar-se. Um olhar para o Arcanjo bastava para ela conhecer os pensamentos de vingança, de raiva no coração ou outros pecados que causavam divisões. E a presença dela, acompanhada de suas palavras, tinha uma força tão grande que ninguém conseguia resistir aos seus conselhos.
Somente uma coisa temo: ofender a Deus
Santa Francisca também foi introduzida na luta contra os poderes do mal. Os conselhos, e até profecias, as curas, milagres e exorcismos tinham seu preço. Esse preço ela pagou lutando com os demônios, que também podia ver da mesma forma que o Arcanjo; este, muitas vezes, colocou-se entre ela e os demônios, afastando-lhe muitos golpes. Quando movimentava seus cabelos dourados, saíam raios de luz e os demônios se afastavam. Contudo, isso não quer dizer que ela não teve de lutar. Muitas vezes o Arcanjo permitiu uma longa luta antes de intervir. Aconteceu também que esses inimigos infernais procuraram lançar-se sobre Francisca em formas horrorosas de animais. Entretanto, o Anjo a envolveu em luz radiante e ela ficou invisível para os inimigos. Sempre encontrava consolo ao olhar para o seu companheiro celeste. Isso enfurecia ainda mais os demônios que, então, lançavam areia contra ela causando-lhe grandes dores. Ela, porém, corajosamente protestava contra esses atacantes: “Eu não vos temo! Uma só coisa eu temo: ofender a Deus. Vós somente podeis fazer o que Ele vos permite, e Ele permite tão somente o que serve para a Sua glória e a minha salvação”.

Certa vez aconteceu que, enquanto segurava seu neto nos braços, de repente, recebeu um forte golpe dum demônio que queria vingar-se por causa da conversão de sua nora que se deveu principalmente à santa. O golpe foi tão duro que também a criança começou a chorar. Ela então fez o sinal da cruz na testa, pronunciou o nome de Jesus e começou a recitar o início do Evangelho de São João. Mas, como o demônio não queria afastar-se, o Arcanjo deixou seu lugar à direita de Francisca, tomou o menino nos braços, e colocou-o suavemente no berço. Com seus cabelos, que brilhavam como ouro, formou uma cortina que protegeu o menino de novos ataques. Aí então o inimigo afastou-se. Todos os presentes foram testemunhas de como o menino voltou para o berço, parecendo pairar no ar, pois não podiam ver o Anjo.

Esse Anjo ajudava não somente a Francisca, mas todas pessoas ao seu redor. O conhecimento das almas, o dom do bom conselho, e muitas graças que ela recebeu desse Anjo não eram para ela, mas sim, para poder mais eficazmente ajudar a outros. Vendo tudo isso, temos a impressão de que esse Anjo ajudou a santa a viver conseqüentemente o sacramento do Crisma, no qual somos ungidos para espalhar e lutar pelo Reino de Deus aqui na terra.

No ano 1425 Francisca fundou a Ordem das “Oblatas de Maria”. Em 1433, doze companheiras começaram a vida comunitária, enquanto a santa fundadora ficou ainda por três anos cuidando de seu marido. Quando este faleceu em 1437, realizou-se o desejo de seu coração: ingressou na comunidade no dia 25 de março do mesmo ano e, por ordem de seu Anjo, ela aceitou o encargo de superiora. Nesse mesmo dia o seu fiel companheiro despediu-se dela com um amoroso sorriso.
O TERCEIRO ANJO – AUXÍLIO PARA A UNIÃO COM DEUS
Então, o Senhor mandou-lhe um outro companheiro, ainda muito mais belo e poderoso, que trazia uma veste branca de diácono, ricamente enfeitada. Durante os últimos três anos de sua vida este Anjo ficou com ela.

Foi notável a sua força; bastava a sua presença e os demônios fugiam. Na mão esquerda ele segurava três ramos de uma palmeira, dos quais saíam fios dourados que punha em ordem num trabalho misterioso e constante, noite e dia, sem interrupção. Uma vez apareceu São Bento e explicou que o ouro significava o amor a Deus e ao próximo com o qual Francisca deveria dirigir as suas filhas. As palmas significavam que ela deveria agir com coragem e sem falso respeito humano, enquanto o trabalho constante e regular do Anjo significava que ela deveria cuidar constantemente da ordem e do progresso de sua comunidade.

Incessantemente o Anjo estava a trabalhar com esses fios, exceto quando Francisca admoestava suas filhas, quando rezava o credo, ou o ofício de Nossa Senhora. Só então o Anjo parava, escutando ou rezando, e adorando com ela. Quando ele rezava uma coluna luminosa erguia-se de sua cabeça até o céu.

No dia 3 de março de 1440 foi chamada para a casa dos seus para tratar do filho Batista que adoecera gravemente. A santa ficou vigiando ao seu lado até à tarde. Quis, então, voltar para o mosteiro, mas as forças a abandonaram e ela voltou para o palácio de sua família, tremendo de febre e, ainda, com uma pleurisia. Nesses dias ela afirmou: “Não vejo mais os demônios. Deus é Vencedor. O inimigo foi vencido e lançado no abismo!” O Anjo permaneceu constantemente ao seu lado e tornou-se cada vez mais radiante.

No dia 9 de março de 1440 ela rezou: “Entrego o meu corpo, meu espírito, minha vida nas Vossas mãos, Senhor Jesus!” E expirou com as palavras: “Os céus estão abertos. O Anjo completou sua obra. Ele está na minha frente e cordialmente faz-me um sinal para segui-lo”.

Vemos nesse terceiro Anjo um auxiliador para uma vida mais retirada. Seu trabalho incessante significa que de nossas boas obras o Anjo nos faz uma veste para o céu. E também: quanto mais estamos unidos com o Senhor, tanto mais força o Anjo tem na luta contra o poder das trevas, e ainda, que o próprio Deus envia um Anjo mais forte àqueles que mantêm um contato mais íntimo com Ele.

Por isso, peçamos a ajuda desse Anjo quando nos aproximamos da mesa do Senhor – momento em que se realiza concretamente em nossa vida a união mais profunda entre Deus e nossa alma, entre nosso Salvador e nós, por meio da Santíssima Eucaristia. As nossas vestes para o banquete celeste serão tanto mais esplêndidas quanto mais amorosamente nos unirmos ao nosso Bom Senhor na sagrada comunhão. E não é isso também a tarefa mais nobre de nosso Anjo: unir-nos sempre mais com o Deus de Amor que nos espera em cada Santa Missa, que renova cada vez conosco a Sua aliança?

Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s