Contra revolução litúrgica – o caso “silenciado” de Padre Calmel

Religioso dominicano e teólogo tomista de envergadura incomum, diretor espiritual apreciado e requisitado em todo o solo francês, escritor católico de um raciocínio estridente e de uma clareza inequívoca, padre Roger-Thomas Calmel (1914-1975) se distingue durante os anos tumultuados do Concílio e do pós-Concílio por sua ação contrarrevolucionária exercida – através da pregação, dos escritos e sobretudo do exemplo – seja sobre o plano doutrinal seja sobre a liturgia.

Mas sobre um ponto bem preciso a resistência desse filho de São Domingos alcança o heroísmo: a Missa, pois é sobre a redenção operada por Cristo no Calvário e perpetuada sobre os altares que se funda a Fé católica. O ano de 1969 foi fatídico para a revolução litúrgica, longamente preparada e ao final imposta sob uma autoridade a um povo que não a havia requerido nem a desejava.

O nascimento da Missa Nova não foi pacífico. Em face aos cantos de vitória dos Novatores, havia as vozes daqueles que não queriam pisar sobre o passado quase bimilenar de uma Missa que remetia à tradição apostólica. Essa oposição teve o apoio de dois cardeais da Cúria (Ottaviani e Bacci), mas permaneceu de todo inaudita.

A entrada em vigor do novo Ordo Missae estava prevista para 30 de novembro, primeiro domingo do Advento e a oposição não dava mostras de se aplacar. O próprio Paulo VI, em duas audiências gerais (19 e 26 de novembro de 1969), interveio apresentando o novo rito da Missa como vontade do Concílio e como auxílio à piedade cristã.

Em 26 de Novembro o Papa disse:

“Novo rito da Missa: é uma mudança, que resguarda uma venerável tradição secular e que, portanto toca em nosso patrimônio religioso hereditário, que parecia gozar de uma fixidez intangível, e levar aos nossos lábios as orações de nossos antepassados e nossos Santos, e dar a nós conforto de uma fidelidade ao nosso passado espiritual, que nós tornamos atual ao transmitirmos às gerações futuras. Compreendemos melhor nessa contingência o valor da tradição histórica e da comunhão dos Santos. Toca essa mudança o progresso cerimonial da Missa; e nós advertimos, talvez com algum incômodo, que as coisas no altar já não remetem àquela identidade das palavras e gestos, aos quais já estávamos tão habituados, que quase não lhes dávamos atenção. Esta mudança afeta também os fiéis, e seria de interesse de todos os presentes, desviando-os de sua devoção pessoal o de sua sonolência habitual…”. E prosseguia dizendo que era preciso compreender o significado positivo das reformas e fazer da Missa “uma tranquila mas empenhada palestra de sociologia cristã”.

“Será importante – advertia Paulo VI na mesma audiência – nos darmos conta dos motivos, pelos quais é introduzida essa grave mudança: A obediência ao Concílio, que agora obedecem os Bispos que o interpretam e o executam suas prescrições…” . Para reprimir a oposição ao Papa, não havia outro modo que não o argumento de autoridade. E é sobre este argumento que se jogou toda a partida da revolução litúrgica.

Padre Calmel, que com seus artigos foi assíduo colaborador da revista Itinéraires, já havia enfrentado do tema da obediência, que se tornou o argumento principal dos novatores no pós-Concílio. Mas, ele afirmava, é exatamente em virtude da obediência que se deve rejeitar todo compromisso com a revolução litúrgica: “Não se trata de fazer um cisma mas de conservar a tradição”. Com um silogismo aristotélico, apontava: “A infalibilidade papal é limitada, logo a nossa obediência é também limitada”, indicando o princípio da subordinação da obediência à verdade, da autoridade à tradição. A história da Igreja possui casos de santos que se opuseram à autoridade de papas que não foram santos. Vejamos o caso de Santo Atanásio, excomungado pelo papa Liberio, ou São Tomás Becket suspenso pelo papa Alexandre III. E sobretudo o caso de Santa Joana D’Arc.

Em 27 de novembro de 1969, três dias antes da fatídica data em que entrou em vigor o Novus Ordo Missae, padre Calmel expressa sua recusa com uma declaração de repercussão excepcional, publicada na revista Itinéraires:

“Atenho-me à Missa tradicional – declarou – aquela que foi codificada, mas não fabricada, por São Pio V, no século XVI, conforme um uso plurissecular. Recuso, portanto, ao Ordo de Paulo VI.

Por quê? Porque, na realidade, este Ordo Missae não existe. O que existe é uma revolução litúrgica universal e permanente, permitida ou pretendida pelo atual Papa, e que reveste, no momento, a máscara do Ordo Missae de 3 de abril de 1969. É direito de todo sacerdote recusar-se a vestir a máscara dessa revolução litúrgica. E considero meu dever de sacerdote recusar-me a celebrar a missa em um rito equívoco.

 Se aceitarmos esse novo rito, que favorece a confusão entre a Missa católica e a ceia protestante – como afirmam os dois cardeais (Bacci e Ottaviani) e como demonstram sólidas análises teológicas – então passaremos sem demora de uma missa intercambiável (como reconhece um pastor protestante) à uma missa completamente herética e portanto nula. Iniciada pelo Papa, em seguida abandonada por ele às Igrejas nacionais, a reforma revolucionária da missa levará ao inferno. Como aceitar ser cúmplice?

Mas pergunta-se: Mantendo, contra tudo, a Missa de sempre, já refletiste à que coisas te expõe? Certo. Eu me exponho, por assim dizer, a perseverar no caminho da fidelidade ao meu sacerdócio e, portanto a dar ao Sumo Sacerdote, que é nosso Juiz supremo, o humilde testemunho do meu ofício sacerdotal. Eu me exponho também a reafirmar os fieis desviados, tentados pelo ceticismo ou pelo desespero. Todo sacerdote, com efeito, que se mantenha fiel ao rito da Missa codificada por São Pio V, o grande papa dominicano da contra-reforma, permite aos fiéis de participarem do Santo Sacrifício sem qualquer equívoco possível; de comungar, sem risco de serem enganados, do Verbo de Deus encarnado e imolado, feito realmente presente sob as sagradas Espécies. Ao contrário, o sacerdote que se conforma com o novo rito, composto de várias peças por Paulo VI, colabora da sua parte por instaurar progressivamente uma missa mentirosa onde a Presença de Cristo não será mais autêntica, mas será transformado em um memorial vazio; por isso mesmo, o Sacrifício da Cruz não será mais nada além de uma refeição religiosa onde se comerá um pouco de pão e se beberá um pouco de vinho. Nada mais: como os protestantes. A recusa de colaborar com a instauração revolucionária desta missa equívoca, orientada para a destruição da Missa, a quais desventuras temporais, a quais dificuldades poderão conduzir? O Senhor sabe: portanto, basta a Sua graça. Em verdade, a graça do Coração de Jesus, entregue a nós pelo Santo Sacrifício e pelos sacramentos, basta sempre. É por isso que o Senhor nos diz tranquilamente: “Aquele que perder sua vida nesse mundo por minha causa, a salvará para a vida eterna”.

Reconheço sem hesitar a autoridade do Santo Padre. Afirmo, todavia, que todo Papa, no exercício de sua autoridade, pode cometer abusos de autoridade. Sustento que o papa Paulo VI cometeu abuso de autoridade de uma gravidade excepcional quando constituiu um novo rito para a missa sobre uma definição de missa que já não é católica. “A missa – escreveu em seu Ordo Missae – é o encontro do povo de Deus, presidido por um sacerdote, para celebrar a memória do Senhor”. Essa definição insidiosa omite a priori aquilo que faz da missa católica, de sempre e para sempre irredutível à ceia protestante. E aquilo pelo que a Missa católica não se trata de um memorial qualquer; o memorial é de tal natureza que contém realmente o sacrifício da Cruz, porque o Corpo e o Sangue de Cristo estão feitos realmente presentes em virtude da dupla consagração. Ora, enquanto isso esteja tão claro no rito codificado por São Pio V que não se pode haver engano, naquele fabricado por Paulo VI permanece flutuante e equívoco. Além disso, na Missa católica, o sacerdote não exercita uma presidência qualquer: marcado por um caráter divino que o introduz na eternidade, ele é o ministro de Cristo que faz a Missa por intermédio dele; outra coisa bem diferente de comparar o sacerdote à uma pastor qualquer, delegado pelos fiéis de manter a assembleia em ordem. Ainda, enquanto isso é certamente evidente no rito da Missa prescrita por São Pio V, é dissimulado ou mesmo completamente eliminado do novo rito.

Portanto a simples honestidade, mas infinitamente mais a honra sacerdotal, me impinge a não cometer a imprudência de trocar a Missa católica, recebida no dia da minha ordenação. Pois se trata de ser legal, e sobre tudo numa matéria de gravidade divina, não há autoridade no mundo, nem mesmo a autoridade pontifical, que possa me impedir. Por outro lado, a primeira prova de fidelidade e de amor que o sacerdote deve dar a Deus e aos homens é aquela que mantenha intacto o depósito infinitamente precioso que lhes foi confiado quando o Bispo lhes impõe as mãos. É antes de tudo por essa prova de fidelidade e amor que eu serei julgado pelo Juiz supremo. Confio que a Virgem Maria, Mãe do Sumo Sacerdote, me conceda a graça de permanecer fiel até a morte à Missa católica, verdadeira e sem equívoco. Tuus sum ego, salvum me fac (sou todo vosso, salva-me).”

Frente a um texto de tal envergadura e de um posicionamento tão categórico, todos os amigos e apoiadores de padre Calmel temeram, esperando de Roma as mais duras sanções. Todos, exceto ele, o filho de São Domingos, que continuava a repetir:  “Roma não fará nada, não fará nada…”. E de fato Roma não fez nada. As sanções não chegaram. Roma estava em silencio diante desse frade dominicano que não temia nada a não ser o Juiz Supremo, a quem ele deve dar conta de seu sacerdócio.

Outros sacerdotes, graças à declaração do padre Calmel, tiveram coragem de asumir a posição e resistir aos abusos de uma lei injusta e ilegítima. Contra aquelas que recomendavam obediência cega às autoridades, ele mostrava o dever de insurreição.

Toda a conduta de santa Joana D’Arc mostra que ela pensava assim: Certo, é Deus que o permite; mas aquilo que Deus quer, ao menos enquanto me restar um exército, é que eu faça uma boa batalha e justiça cristã. Em seguida foi queimada […]. Confiar na graça de Deus não significa não fazer nada. Significa, pelo contrário, fazer, permanecendo no amor, tudo o que estiver ao nosso alcance […]. Àqueles que não meditaram sobre as justas insurreições da história, como a guerra dos Macabeus, as cavalgadas de santa Joana D’Arc, a expedição de dom João de Áustria, a revolta de Budapeste, a qualquer um que não tenha entrado em sintonia com as nobres resistências da história […] eu nego o direito de falar de abandono cristão […] o abandono não consiste em dizer: Deus não quer que façamos a cruzada, deixem os mouros. Esta é a voz da preguiça.”

Não se pode confundir o abandono sobrenatural com uma indolente obediência. “O dilema que se apresenta a todos – advertia o padre Calmel – não é escolher entre a obediência e a fé, mas entre a obediência à fé e a colaboração com a destruição da fé”. Somos todos chamados a fazer “nos limites que nos impõe a revolução, o máximo possível para viver da tradição com inteligência e fervor. Vigilate et orate.

Padre Calmel compreendeu perfeitamente que a forma de violência exercida na “Igreja pós-Conciliar” é um abuso de autoridade, demonstrada exigindo uma obediência incondicional. À qual os clérigos e muitos leigos se dobraram tem qualquer resistência. “Esta falta de reação – observou Louis Salleron ­– me parece trágica. Porque Deus não salva os cristãos se ela, nem Sua Igreja.”

“O modernismo faz suas vítimas caminharem sob a bandeira da obediência – escreveu o religioso dominicano – colocando sob suspeita de orgulho qualquer critica às reformas, em nome do respeito que se deve ao papa, em nome do zelo missionário, da caridade e da unidade.”

Quanto ao problema da obediência em matéria litúrgica, padre Calmel observa:

“O problema dos novos ritos consiste no fato que são ambíguos: pois não exprimem de maneira explícita a intenção de Cristo e da Igreja. A prova é o fato de que até mesmo o hereges o usam com tranquilidade de consciência, enquanto rejeitam como sempre rejeitaram a Missa de São Pio V”. “É preciso ser tolo ou medroso (ou ambos) para considerar-se obrigado à leis litúrgicas que mudam com mais frequência que as modas feministas e que são ainda mais incertas.”

Em 1974 disse em uma conferência:

“A Missa pertence à Igreja. A missa nova não pertence senão ao modernismo. Me atenho à missa católica, tradicional, gregoriana, pois ela não pertence ao modernismo […]. O modernismo é um vírus. É contagioso e é preciso escapar dele. O testemunho é absoluto. Se dou testemunho à Missa católica, é preciso que eu me abstenha de celebrar outra coisa. É como incenso queimado aos ídolos: ou um grão ou nada. Portanto, nada.”

Não obstante a aberta resistência do padre Calmel contra as inovações  litúrgicas, de Roma não adveio qualquer sanção. A lógica do padre dominicano era muito firme, sua doutrina muito ortodoxa, seu amor à Igreja e a sua perene tradição muito legal para que o pudessem atacar. Não intervieram contra ele, pois não podiam. Então envolveu-se o caso num silêncio profundo, ao de que o teólogo dominicano – notório, em parte, no mundo tradicional francês – é praticamente desconhecido no restante do mundo católico.

Em 1975, padre Calmel morria prematuramente, coroando seu desejo de fidelidade e de resistência. Na sua Declaração de 1969 havia pedida à Santíssima Virgem que o mantivesse “fiel até sua morte à Missa católica, verdadeira e inequívoca”. A Mãe de Deus atendeu o pedido deste filho predileto que morreu sem jamais haver celebrado a Missa nova para permanecer fiel ao Juiz ao qual deveria responder por seu sacerdócio.

_________________
PARA CITAR ESTA TRADUÇÃO:
Contra revolução litúrgica – o caso “silenciado” de Padre Calmel, 2014, trad.br. por Italo Lorenzon Neto, Rio Claro, SP, Brasil, fev.2014.
De: “Contro-rivoluzione liturgica – Il caso “silenziato” di Padre Calmel”, 13 de fevereiro de 2014, “http://www.conciliovaticanosecondo.it/articoli/contro-rivoluzione-liturgica-il-caso-silenziato-di-padre-calmel/”.

CRITICAS E CORREÇÕES SÃO BEM-VINDAS:
allan.santosbr@gmail.com

Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s