Sobre a Inveja e os pecados derivados

539. 1. Noção. A inveja é uma espécie de tristeza com o bem alheio que se considera como um mal para nós, enquanto que rebaixa nossa glória e excelência. Se opõe diretamente a um dos efeitos da caridade, que é o gozo espiritual pelo bem do próximo.

Se distingue do ódio, enquanto que este deseja ao próximo um mal e entristece-se do mesmo próximo, enquanto a inveja considera o bem do próximo como um mal a si mesmo. É facílimo, no entanto, passar da inveja pra o ódio.

Não se confunda a inveja com uma legítima tristeza de ver triunfar o mal enquanto mal. (ex. Aos perseguidores da Igreja, aos pecadores públicos, etc.); esta última recebe o nome de indignação ou nemesis, e é boa se ordena-se a um reto fim e com a devida subjeção à ordem da Divina Providência.

Tampouco a inveja, senão nobre e legítima emulação, desejar ter as virtudes boas e qualidades do próximo, com gozo e satisfação de que tenha ele.

540. 2. Malefício. A inveja é um dos pecados mas vis e repugnantes que se podem cometer. É indicio de uma alma ruim e inteiramente alheia ao espírito do evangélico, que resume-se em caridade e amor ao próximo. É em si um pecado grave contra a caridade, a não ser por escassez de matéria (ex. por havermos vencido uma competição esportiva), ou por imperfeição do ato, ou seja, sem a suficiente advertência ou consentimento. Entristecer-se do bem espiritual do próximo, ou seja, de sua própria santificação, é um pecado gravíssimo contra o ESPÍRITO SANTO! (Cf. nº 269, 4.º)

A inveja geralmente produz-se entre pessoas do mesmo ou semelhante estado e condição social; não entre condições muito desiguais, já que os inferiores não aspiram conseguir a posição dos magnatas, que consideram inacessível e não deseja, por eles mesmos, sua inveja ou ambição.

541. 3. Pecados Derivados. A inveja nasce da soberba, que é “o apetite desordenado da própria excelência”, e dela procedem o ódio, a murmuração, a difamação e o gozo nas adversidades do próximo.

C) A discórdia

542. Se entende por tal, A DISSENÇÃO (DIVERGÊNCIA) DAS VONTADES, NO TOCANTE AO BEM DE DEUS E DO PRÓXIMO. Se opõe a paz e a concórdia entre os homens.

Não se refere a divergência de opiniões, que é lícita em matérias opináveis e não se opõe à caridade, contato que mantenha-se dentro dos limites da delicadeza e correção para com os que pensam de outro modo. Sendo a divergência das vontades que não querem unir-se em nome da caridade e da concórdia. Em matéria grave é pecado mortal, embora cabe o pecado venial por insuficiência de matéria ou imperfeição do ato. Nasce do desordenado amor próprio à vangloria, que nos faz amar nada mais do que apenas a própria vontade e opinião.

A contenda

543. A contenda ou perfídia é a altercação ou discurso violento com as palavras. Se opõe também a paz, fruto da caridade.

É pecado mortal, quando impugna-se intencionalmente a verdade (sobretudo em matéria de fé e costumes: pecado gravíssimo), o se falta gravemente à caridade fraterna, ou se produz grave escândalo. Mas, seria somente venial, se produzisse apenas por certo espírito de contradição, que procede muitas vezes de um caráter defeituoso, mais que de má vontade ou desafeto ao próximo.

Nasce também da vanglória, que impulsiona a reportar a vitória sobre o adversário, com razão ou sem ela.

A Rinha (Rixa)

544. Da discórdia e da contenda, incitadas pela ira, geralmente nasce a rinha (ou Rixa), que é uma briga, entre pessoas privadas, a base de golpear ao próximo ou ferimentos. É como uma pequena guerra particular (Ex. do tradutor: Caso Hatfields & McCoys).

É pecado mortal ao agressor, a não ser que se trate de uma coisa rápida e sem escândalo algum, e que ocorra poucas vezes sem, de fato, se golpear o próximo. No agredido injustamente não será pecado algum se limitar-se a defender-se sem ódio e com a devida moderação; pecará venialmente se se exceder um pouco na defesa, E gravemente se se exceder consideravelmente ou proceder com ódio interior.

__________________________
PARA CITAR ESTA TRADUÇÃO: Sobre a Inveja e os pecados derivados, 2014, trad. br. por Rodolpho Loreto, São Gonçalo, RJ, Brasil, Mar. 2014. de: “Pecados opuestos a la caridad para con el prójimo”, visto em  “http://bibliotecacatolicadigital.org/MORAL/ROYO/402-422_CAP3_PECADOS_CONTRA_CARIDAD.htm”.

CRÍTICAS E CORREÇÕES SÃO BEM-VINDAS:
allan.santosbr@gmail.com

Advertisements

Deixe seu comentário aqui

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s